Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

«Memórias dos Actos», Pedro Valdez Cardoso: Livro de Actos, Centro Cultural Emmerico Nunes/Módulo, 2006.

Desde o início do seu percurso artístico, Pedro Valdez Cardoso tem trabalhado, de vários ângulos, sobre a questão da identidade, sendo os processos de uniformização civilizacional e cultural aspectos constantes no seu trabalho. Tratou diversos temas, por vezes tirando partido do contexto e das circunstâncias em que trabalhou, sem que isso o desviasse do sentido de pesquisa que norteia a concepção do seu trabalho.
A instalação que concebeu para as alcáçovas do Castelo de Sines segue uma mesma linha de orientação no sentido em que estabelece uma relação com o lugar expositivo, tendo em atenção a especificidade do local e remetendo-nos para a definição de um conteúdo temático que privilegia a dimensão histórica e cultural do sítio, carregado de história e de memórias: Vasco da Gama, natural de Sines, habitou aquele espaço expositivo, e nesse sentido são inevitáveis as múltiplas referências aos Descobrimentos Portugueses presentes nesta obra.
Segundo esta orientação associativa que procura a integração no espaço, o tema e objecto desta instalação de Pedro Valdez têm em atenção a contextualização histórica. Ele procurou integrar esses conhecimentos no seu trabalho, ainda que o seu propósito não seja estabelecer um exercício de reconstituição ou ensaiar uma intervenção de valor ilustrativo ao nível das associações históricas estabelecidas.
Sob o título Livro de Actos, Valdez apresenta uma instalação formada por um conjunto de peças escultóricas construídas em forma de estandartes, que expõem combinações ecléticas de objectos de diversa natureza: uma pá, um balde, remos, ossos, velas, latas de cerveja, caveiras, esfregonas, pás, armas, restos de velas, baús, tesouros…
Os estandartes – sempre destinados a simbolizar a identidade, a autoridade, a honra, a importância, o valor das estruturas colectivas e sociais, funcionam aqui como representações de poder e domínio; e é por intermédio de uma combinação de objectos, desde o mais vulgar ou inusitado, que se revelam igualmente sinais de riqueza e de acumulação, e a evocação das trocas comerciais, das relações de força, de supremacia e do poder militar que desenharam o mundo dos séculos XV e XVI – nada de novo, portanto. Mas por outro lado, para além de oferecer configurações estranhas e inesperadas de objectos que desconcertam o espectador, esta apresentação coloca-nos simultaneamente perante um jogo estabelecido entre a diversidade da natureza dos objectos e um efeito de padronização que decorre de uma operação de revestimento da sua superfície.
Como é característico das peças de Pedro Valdez, neste trabalho nota-se a insistência nesse processo de revestimento dos objectos, com o emprego de um mesmo material. Neste caso, fazendo uso de folha de alumínio e fita de prata isolante, ele obtém um sentido de unidade que, sem prejudicar a definição e o reconhecimento das formas de cada objecto utilizado, cria um efeito de distanciamento, de dissimulação, que produz a abstractização da sua aparência, de tal maneira que outros factores ganham importância. Por exemplo, o carácter simbólico dessa cobertura, a produção de associações metafóricas e a importância do valor da imagem, mais as qualidades reflectoras destes materiais, potenciam quer o sentido bélico da sua aparência quer os sinais de riqueza ornamental que produzem.
Mas sobretudo, por meio deste procedimento e através da homogeneidade de superfície, da uniformização do conjunto, Valdez sublinha a ideia que lhe interessa explorar: os mecanismos de uniformização, os processos de padronização, as coordenadas normalizadoras que, em qualquer época,  evidencia a construção cultural, conforme a ideologia dominante.
Nesse sentido este é um trabalho definidor da obra deste artista, e que surge como um prolongamento, desenvolvimento e análise de uma questão já aflorada em obras como Areias Movediças, I didn't choose never to forget, Embuste, Le Monde Diplomatique, ou Mise en Scène. Da imagem que nos apresenta, e para além da reutilização de vários itens, que formam um fio condutor na sua variada produção, destaca-se ainda o investimento numa forte componente cenográfica: acréscimo de sublinhado para uma percepção da vida dos objectos, que nos lembra o seu duplo poder de signo e testemunho da passagem do tempo e da História...

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB