Fernando Lemos

Roteiro CAM

«Fernando Lemos» in AA.VV, Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão: Roteiro da Colecção (pp. 72-73). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004. ISBN: 972-635-155-3

Fernando Lemos nasceu em Lisboa, em 1926. Actualmente reside em São Paulo, no Brasil. Frequentou a Escola de Artes Decorativas António Arroio e o curso livre da Sociedade Nacional de Belas Artes. Com um percurso profissional ligado às artes gráficas e à publicidade, Fernando Lemos circula por muitos territórios da arte ao longo do seu percurso. A sua obra multifacetada estende-se ao domínio da pintura, do desenho, da ilustração e à fotografia, campo que alcançou maior visibilidade pública nos últimos anos. A ligação de Lemos à fotografia tem lugar na passagem da década de 40 para a de 50, no período em que desenvolve a sua actividade artística junto do Grupo Surrealista de Lisboa e em que participa na exposição Azevedo, Lemos, Vespeira, realizada na Casa Jalco, em 1952. Nessa mostra, para além de 22 guaches, 28 desenhos, 20 pinturas a óleo, caracterizadas pela exploração do registo abstracto e pela conjugação dinâmica de formas orgânicas e angulares, o artista apresentava 55 trabalhos fotográficos. Desse núcleo de imagens fazia parte um conjunto de 30 retratos, em que o artista utilizava dispositivos da fotografia manipulada para afirmar certos traços característicos da personalidade e da obra da personagem retratada, e uma série de composições encenadas, de que é exemplo Intimidade dos Armazéns do Chiado, escolhida para figurar na capa do catálogo da citada mostra na Jalco. Nela pontuavam os emblemáticos manequins de montra, descobertos na oficina de consertos dos Grandes Armazéns do Chiado por Mário de Almeida Camilo, um amigo que assegurava a secção fotográfica do magazine editado pelos G.A.C. e apoiará o lançamento de muitas iniciativas surrealistas bem como o processo laboratorial da prática fotográfica de F.L.
Nesta e noutras fotografias, o surrealismo revela-se claramente nos efeitos alcançados, na exacta medida em que os objectos alcançam uma presença enigmática devido ao uso de efeitos de composição, da iluminação e de técnicas como a solarização e a sobreposição de duas ou mais imagens. Prova de que para Fernando Lemos a fotografia não se constitui enquanto representação mimética mas como possibilidade de entrever um itinerário poético onde o «familiar» e o «comum» podem facilmente dar lugar ao inédito e à revelação do lado secreto da realidade. Compreende-se que estas imagens insólitas tenham fascinado o meio cultural português. São relevantes os artistas e escritores que nos seus textos destacaram o valor poético das investigações de Fernando Lemos. Prova disso são os textos que acompanharam algumas das mais importantes exposições do artista: Fotografia de Várias Coisas na Galeria de Março, em 1953; A Fotografia na Arte Moderna Portuguesa, no Centro de Arte Contemporânea (Porto), em 1977; Refotos dos Anos 40 na Sociedade Nacional de Belas Artes, em 1982; Fernando Lemos no Centro Cultural Português da Fundação Calouste Gulbenkian, iniciativa que integrou em 1992 o programa do Mois de la Photo, em Paris; e À Sombra da Luz, no CAM, em 1994.
Em 1952, não obstante a qualidade do seu trabalho fotográfico, Fernando Lemos abandona a fotografia. No ano seguinte, emigra para o Brasil, tendo aí prosseguido a sua produção no domínio do design gráfico, do desenho e da pintura, e realizado diversas exposições individuais e colectivas. Desse período podemos referir os desenhos a nanquim que realizou sobretudo ao longo da segunda metade da década de cinquenta, privilegiando progressivamente um registo de pendor abstractizante, em que a linha vai dando lugar à forma e ao aparecimento de composições formadas por elementos ovais e semi-curvos de grande efeito gráfico e plástico.
Em continuidade com as linhas de investigação seguidas nestes trabalhos, ao longo da década de 60, Lemos desenvolve na sua produção pictórica, princípios de composição plástica que conduzem à afirmação de um «abstraccionismo concreto», definido pela presença e sobreposição de formas negras em telas de acrílico, que muito se distinguiu das referências visuais e das atmosferas surrealizantes que pautaram as suas primeiras obras. 

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB