João Tabarra

LisboaPhoto

«João Tabarra» in Empirismos. Novas linguagens documentais em Espanha e Portugal (pp. 142-143). Lisboa: LisboaPhoto/CML, 2005.

João Tabarra (Lisboa, 1966) estudou fotografia no final dos anos oitenta e expõe individualmente desde 1991, tendo participado em inúmeras exposições em Portugal e em mostras e bienais  internacionais. Desde essa data mantém uma actividade artística que abrange as áreas da fotografia, do vídeo e da instalação, sendo estes os meios preferenciais para desenvolver uma intervenção artística que tanto aborda questões fundamentais no contexto da sociedade contemporânea – a economia global, a política, o domínio da existência e a condição do indivíduo no seio da actual realidade social e cultural – como aspectos que dizem particular respeito ao valor da imagem numa era dominada pelos mass media e pelas mutações operadas pela massificação.
Por exemplo, o seu interesse por desencadear planos metafóricos a partir da criação de situações encenadas e proceder ao deslocamento de imagens que colocam a descoberto um mundo de vivências pautado por perplexidades e paradoxos está muito presente em obras como Olhos nos Olhos, de 2003. Trata-se de um trabalho que está associado à célebre fotografia de Che Guevara, da autoria de Alberto Korda. Nessa peça João Tabarra confere movimento à imagem e mediante a realização de um travelling, transforma o plano fixo e bidimensional da fotografia num percurso que vai de encontro ao rosto tridimensional do guerrilheiro. Sugere-se a tentativa de captar o olhar da figura, no entanto, não cumprida essa possibilidade, é a ocorrência da repetição que faz com que o espectador permaneça num infinito movimento de eterno retorno.
Paralelamente, será apresentado outro trabalho, intitulado Please don’t go, de 2004, em que à semelhança do acima referido, o artista centra a sua visão num plano fixo, desta vez uma ilha paradisíaca, e através de um exercício de aproximação à imagem concretiza uma reflexão em torno da cultura de entretenimento ligada ao turismo e à experiência do viajante moderno.  Inicialmente vemos projectada a paisagem natural distante, constituindo esta uma imagem simbólica de um ambiente idílico, e de seguida, por efeito do zoom, algo muda. A ampliação da imagem produz-se a partir desse cenário paradisíaco em movimento, e o artista faz-nos descobrir o artifício, mostrando uma superfície opaca, em que as tramas de cor nos revelam estarmos perante uma ilustração de um postal turístico ou de um folheto publicitário. É também neste sentido, que num outro plano projectado desta obra, recria ilusoriamente o barulho produzido pelas ondas do mar através do simples acto de agitar continuamente uma caixa de madeira com parafusos.
Assim, os trabalhos apresentados sugerem um espaço de reflexão em torno da fabricação de paraísos artificiais, da construção de ilusões, bem como da dimensão universal e intemporal do pensamento utópico. Aspectos e questões que são reveladoras de uma prática artística que indaga o estatuto da imagem na actualidade e encontra no propósito de desmistificar as «realidades» contemporâneas, o fundamento para uma intervenção que faz valer a importância do plano ético no seio do campo artístico.

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB