Francisco Queirós

Entrevista

Entrevista a Francisco Queirós, intitulada «Imagens Animadas».

Publicada na revista arq./a: Arquitectura e Arte, n. 17, Janeiro/Fevereiro 2003, pp. 80-83. ISSN: 1647-077X.

Nas suas obras Francisco Queirós usa as potencialidades técnicas e plásticas do vídeo para construir cenários de fantasia e pequenas narrativas, que simbolizam simultaneamente estados de inocência e de subtil agressividade.

Em relação à sua formação artística existe uma situação curiosa. Frequentou o curso de pintura em Belas Artes, mas nunca chegou a trabalhar nesse suporte?

Sim, nunca pintei. Aliás, pintei, mas isso foi na disciplina de desenho de modelo. Era apenas um exercício de escola. Mas nunca apresentei nenhum trabalho em Pintura, não éramos obrigados a pintar, só pintava quem queria. Eu só fiz trabalhos em vídeo e fotografia. Isto porque, quando entrei para o terceiro ano houve uma mudança de professores e uma abertura total em relação aos meios que podíamos trabalhar, tanto em pintura como em escultura.

Como explica o interesse da nova geração pelo vídeo? Está ligado a condições e referências da vossa formação, foi uma forma de acompanhar as inovações e evoluções tecnológicas, de afirmar o espírito experimental da vossa prática?

O nosso primeiro exercício obrigatório de Pintura consistia em construir uma narrativa com base em imagens captadas da televisão. A partir desse projecto, aproveitei a deixa e comecei logo a trabalhar em vídeo. Realizei o auto-retrato (1997). No fim do terceiro ano, e depois no quinto, também tivemos muitas sessões em que o Carlos Vidal fazia uma abordagem à arte mais actual, mostrando vídeos, fotografia, documentários, projecções de slides. O vídeo também era na altura uma coisa nova para nós, que dava para explorar.

E tinham material e condições para o fazer?

Existia material disponível na escola, mas era muito rudimentar, quase tão rudimentar como aquele que tínhamos em casa. Existiam dois vídeos, tínhamos uma mesa, mas nem sequer sabíamos trabalhar com ela. O modo de fazer resumia-se ao pause-play-stop e ao rec, e a muita paciência. O vídeo original do auto-retrato foi feito assim, com dois vídeos, com o pause e play, rebobina, rec e pause. Não tínhamos os meios de hoje.

Em termos de obras de artistas plásticos quais são as suas referências?

Posso lembrar-me de alguma peça, mas tenho uma atitude de «turista»: é ir ver, gostar ou não, e ir embora. O único material que tenho agora são os catálogos das exposições em que participo.

Dá importância ao factor tecnológico na construção do trabalho? Qual é a sua influência na elaboração das obras?

Actualmente, dou-lhe mais importância. E a explicação é simples: gosto de aprender a trabalhar com os programas para poder resolver problemas futuros; e assim, cada novo trabalho é para mim uma hipótese de aprendizagem. Hoje em dia, ainda tenho muita coisa para aprender, mas já domino mais as ferramentas. No entanto, não pretendo que os meus vídeos sejam perfeitos, nem que sejam obras primas. Não me interessa a perfeição. Eles estão cheios de «erros», porque os quero assim. Quero que tenham um ar comum e que se note que aquilo foi feito por uma pessoa. Às vezes não me custava nada alterar e fazer bem os acabamentos na última revisão, mas basta-me que a ideia esteja lá.

Nas obras mais recentes tem vindo a substituir a projecção vídeo pela apresentação de diferentes elementos e objectos numa mesma instalação. Podemos falar de uma nova direcção no seu trabalho?

Na produção do vídeo há sempre coisas novas para aprender, mas hoje, já acho que domino mais ou menos a técnica. Enquanto se está a aprender é tudo maravilhoso, existe motivação, agora quando se domina, perde a graça. Torna-se um trabalho fácil e pouco surpreendente, tanto no fazer como na parte final de apresentação da obra. Com os últimos trabalhos, tratei de usar meios a que não estou habituado e aumentar o grau de dificuldade e de desafio. Quero chegar à montagem com o coração nas mãos.

Por outro lado, a certa altura o carácter pulsional das primeiras obras deu lugar a uma abordagem mais lúdica e de certa maneira mais metafórica. Fale-me um pouco do lado mais pessoal dos projectos. A referência ao universo infantil está relacionada com o facto de ser pai?

Sim, acho que tudo mudou desde que ele nasceu. No início, os trabalhos eram mais violentos e mais crus. Depois houve uma mudança: passámos dos ursinhos a ejacular para a canção infantil do melro. A mudança foi natural... Mas também se deu com a aprendizagem da técnica, e com o facto de já ter mais meios para trabalhar e para explorar coisas novas.

Tratou-se de sublimar essas tendências, uma vez que a agressividade e a violência passaram a ser exploradas sob o plano da inocência e com recurso ao comportamento infantil?

As peças anteriores eram todas escolares e funcionaram basicamente como uma busca em relação ao que queria fazer. Agora, a partir do melro [friezenwall #2 v.2.3 – tiny little movie (2000)], a ironia e a violência tornaram-se características constantes do meu trabalho. Gosto das tensões por elas produzidas. Ainda que possam não surgir evidenciadas de forma explícita. Em alguns trabalhos a utilização de ambientes fantásticos permite-me subverter as regras e aumentar proporcionalmente as tensões existentes.

E o que é que espera do espectador?

Um sorriso. Gosto de ver as pessoas a esboçar um sorriso.

Francisco Queirós nasceu em 1972, em Lisboa. Estudou Artes Plásticas – Pintura na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Desde a segunda metade da década de noventa, vem partipando em diversas exposições colectivas, onde se destacam: (A)Casos (&)Materiais #1 e #2 (Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, 1998-1999), III Bienal AIP – A Escolha dos Críticos (Europarque, Santa Maria da Feira, 1998), Bienal da Maia 99 (Maia, 1999), W.C. ContainerHouse of Pain (Edifício Artes em Partes, Porto, 1999), Arritimia (Mercado Ferreira Borges, Porto, 2000), NonStopOpening Lisbon (Galeria Zé dos Bois, Lisboa, 2000), Disseminações (Culturgest, Caixa Geral de Depósitos, Lisboa, 2001), UrbanLab - Bienal da Maia (Maia, 2001), Experimenta Design (Milão, Londres e Lisboa, 2001), Squatters/Ocupações (Fundação de Serralves, Porto, 2001), Sparring Partners Academy Art Collection (Galeria Zé dos Bois, Lisboa, 2001), BR2002 (Braga, 2002), Colecção CGD. Arte Contemporânea - novas aquisições (Culturgest, Porto, 2002), Under Surveillance/Sob Vigilância (Fábrica da Pólvora, Oeiras, 2002), Cinevideo X (Olho, Gingal, 2002) e Too Drunk to FuckBad Karma (Lisboa, 2002). No estrangeiro, exibiu o seu trabalho em Southern Exposure (Galeria ZDB, Sister Spaces, San Francisco, Estados Unidos, 2000), Plano XXI - Portuguese Contemporary Art (Intermedia Gallery, Glasgow, 2000), XXVI Bienal de Pontevedra (Pazo da Cultura, Pontevedra, 2000), High Input Low Noise (Eesti Kunstimuuseum/Rotermanni Soolalaos, Tallinn, Estonia, 2001), The 1st Valencia Biennial – VideoRom (Valencia, 2001), VideoRom (Galerie de Toit du Monde/Veney/Suiça, Gian Carla Zannuti Gallery/Milão, Gallery of Modern and Contemporary Art/Bergamo, Museo Arte Contemporanea/Roma, 2002), Expect the world, moi non plus (Sparwasser HQ e Parkhaus, Berlim, 2002), Video Zone - The 1st International Video Art Biennial in Israel (Tel Aviv, 2002). Francisco Queirós apresentou o seu trabalho a título individual no âmbito do projecto SlowMotion na Escola Superior de Tecnologia, Gestão, Arte e Design (ESTGAD, Caldas da Rainha) e na Fundação Calouste Gulbenkian (2002), e realizou a mostra white rabbit (long live the rabbit), na Galeria Marta Vidal (Porto, 2002).

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB