Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Texto publicado a propósito da exposição Wishful + Thinking, de Miguel Palma
Curadoria: Sandra Vieira Jürgens

Local: Galeria Baginski, Lisboa
Data: 04.05 – 04.09.2011

Desde os anos 90, Miguel Palma transita entre suportes variados, estabelecendo diferentes estratégias artísticas na formulação de formas e objecto híbridos, que tem em comum o estabelecimento de uma relação muito particular e produtiva com a realidade e com o espectador. Através da combinação de materiais heterogéneos e da alteração ou transformação dos valores funcionais, culturais e simbólicos dos objectos, o artista revela aspectos da percepção e conhecimento do mundo, que envolvem o espectador num campo de possibilidades de leitura a diferentes níveis.
Esta individual com o título Wishful + Thinking, que Miguel Palma apresenta na Galeria Baginski não foge à regra e caracteriza-se por ser um percurso expositivo por entre um conjunto de trabalhos que constitui uma metáfora visual para a expressão da impotência e força da vontade humana, com múltiplas referências a um universo de experiências de construção de realidades paralelas (reais ou ficcionais, passadas ou visionárias), que o artista decidiu expressar metaforicamente no título desta mostra individual.
Diremos à partida que o pensamento projectivo, o fetichismo material e a falácia do desejo são os três principais eixos desta exposição. No primeiro espaço da galeria, à entrada, antes mesmo de ver o objecto central da exposição, defrontamo-nos com uma área onde se combinam referências escultóricas, plásticas e diferentes projecções de situações de sublimação idealizada, relacionadas com um modelo automóvel de características desportivas, o Lamborghini Countach, veículo de culto produzido em Itália entre 1971 e 1990.
Nessa combinação de imagens podem destacar-se por exemplo as inúmeras narrativas sobre esse “símbolo luxo” dos anos 70 e 80, que tanto derivam de autênticas reportagens, de abordagens históricas, visões técnicas, culturais, sociológicas, como de apropriações de natureza ficcional, onde confluem a atribuição de valores eróticos sobre o objecto em causa. De uma forma ampliada, o que aí se representa é a dimensão fetichista, ideológica, psíquica das acções de atribuição de valor simbólico aos artefactos que nos rodeiam. Falamos pois em representações baseadas na projecção emocional, por vezes irracional, de desejos sobre a realidade, em aspirações, desejos, que configuram um pensamento projectivo, por vezes visionário, que escapa à explicação racional e à racionalidade imposta pelo real.
Sendo este o ponto de partida desta exposição: Do outro lado o que encontramos? O que é que vemos?
O centro físico e nevrálgico do percurso expositivo, em que Miguel Palma adopta aparentemente um formalismo enigmático que se contrapõe e distancia do conteúdo das imagens, da amálgama visual, impura, humana, acidental que o observador testemunhou anteriormente.
Nesta transição de espaços, o que ocorre é uma espécie de experiência de saída do domínio da imagem e de aproximação e avanço para uma presença asséptica, mais abstracta, que parece neutralizar e transformar a carga simbólica e as evidências visuais que estiveram diante de nós. Num espaço vazio, off-screen, entre a condição de veículo utilitário e de obra de arte autónoma, é exposta uma réplica do veículo com aberturas visuais para a essencialidade e simplificação formal do legado minimalista, como claramente indicam as geometrias estruturais do volume descarnado, despido de acessórios e acentos ilusionistas ou metafóricos.
O que vemos agora é tão somente um objecto aparentemente com um valor emocional nulo, destituído de projecções, na condição de potencial, inacabado. Independentemente deste estado de facto, esta peça de Miguel Palma pode ser interpretada a partir de uma outra reflexão que, ao invés da oposição entre realidades heterogéneas, explora o sentido de uma dualidade sem oposições.
Na transposição efectuada, de um fenómeno cultural para outro contexto, o que se altera é tão somente a questão da perspectiva. Efectivamente, a leitura da peça situa-se invariavelmente entre o que foi projectado sobre este objecto de luxo e o modo como é apresentado. O factor unificador destas abordagens é ele ser por excelência, em ambos os contextos, profano e sagrado, um objecto de exposição, um objecto de culto, mais evocado pelo seu valor icónico do que de uso, como demonstram algumas das evocações do conjunto de imagens que passam no monitor na sala ao lado.
Assim, podemos propor que o carácter provocatório da obra de Miguel Palma não reside nos artefactos excêntricos que apresenta nas suas exposições. Palma aplica uma outra estratégia, alarga o campo de possibilidades, questiona as categorias, a definição restrita dos contextos e expõe o que configura ser um dos princípios essenciais da sua prática artística: a arte, talvez seja à semelhança de muitas outras dimensões triviais da existência humana, uma materialização dos desejos, das aspirações, das ideias, dos projectos - é a continuação da falácia do desejo e do fetichismo por outros meios.

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB