Damián Ortega

O ponto zero

Texto sobre a exposição El cohete y el abismo, de Damián Ortega, no Palácio de Cristal, Madrid, publicado na Wrong Wrong n.6, 2016

Situada no centro do Palácio de Cristal, Torre Latinoamericana constitui o ponto zero e a peça central da exposição individual de Damián Ortega, El cohete y el abismo, formada por três peças, onde expõe modelos arquitectónicos e urbanísticos através de várias referências, alusões e analogias a projectos e paradigmas modernos que eclodiram e falharam no século XX. Todos eles monumentais, símbolos do progresso tecnológico e económico, em alguns casos idealizados para sobreviver aos abalos sistémicos. No cenário de vulnerabilidade e de incerteza presentes, abre-se um espaço de interpretação sobre o tempo, o peso e a gravidade, as tensões e as resistências, os equilíbrios e as oscilações dos sistemas.
Com uma escultura mole instalada num cabo de aço suspenso a partir do ponto mais alto da cúpula do Palácio de Cristal, por excelência o modelo arquitectónico reproduzido e multiplicado no mundo ocidental no século XIX, Torre Latinoamericana, constitui por seu turno a revisitação de um modelo exemplar da arquitectura moderna mexicana e da engenharia do século XX, a Torre Latino, desenhada por Augusto H. Álvarez entre 1949 e 1956, à imagem do Empire State Building (Nova Iorque, 1930-1931).
Construída como versão miniatura desse edifício que foi durante largos anos o mais alto da cidade provido de um sistema anti-sísmico, Damián Ortega transforma a sua torre invertida num pêndulo e num relógio de areia, cujo depósito liberta grãos que desenham trajectórias imprevisíveis no chão do espaço através do movimento pendular. Ao final do dia, um funcionário recolhe cuidadosamente a areia espalhada no solo, peneira-a e armazena-a no reservatório, iniciando-se um novo ciclo a cada manhã, como num trabalho que se repete indefinidamente.
Em Monumento a suspensão não dá lugar ao equilíbrio mas à queda, mantendo-se contudo a flexibilidade do material, neste caso uma escultura de lona de treze metros que afunda numa pequena área de areia no solo, à imagem do naufrágio do Titanic e com referências irónicas às esculturas flexíveis de grande dimensão de Claes Oldenburg e aos projectos e estruturas de escala colossal que definiu como «propostas realistas-fantásticas», idealizadas juntamente com a sua mulher, Coosje van Bruggen, a partir de objectos de uso comum.
Fundamental para contrapor à verticalidade das peças anteriores um sentido de horizontalidade e de integração mais difusa no espaço é Los pensamientos de Yamasaki, uma investigação artística sobre o complexo urbanístico Pruitt-Igoe do arquitecto Minoru Yamasaki – também arquitecto do World Trade Center –, um projecto construído no pós-guerra em Saint Louis, que na década de setenta foi demolido. Edificado entre 1953 e 1955, num local onde vivia, em condições de extrema pobreza, uma comunidade negra, o seu nome homenageava um piloto afro-americano que combateu na Segunda Guerra Mundial e um político branco. Idealizado inicialmente como uma estrutura onde existia a divisão entre comunidades, negras e brancas, a lógica que prevaleceu foi o ideal moderno de uniformizar e eliminar da sua concepção a especificidade individual, a singularidade familiar, política, moral, em benefício do colectivo. Construído por fases, o projecto chegou a ter trinta e três edifícios, de 11 pisos cada. Todavia, com cada vez mais prédios, atingindo 2870 apartamentos, o sentido de comunidade acabou por desvanecer-se e a falta de manutenção do espaço comum, público, tornou inevitável a sua decadência. Com uma instalação formada por painéis de textos e imagens serigrafados, retirados de fontes históricas, Damián Ortega constrói uma narrativa fictícia sobre a reacção do arquitecto à destruição do complexo, ocorrida por decisão estatal em 1971, cruzando a sua decepção com uma outra história de insatisfação repetida, narrada com a presença de objectos de época comprados em mercados de segunda mão, caídos em desuso pela passagem do tempo e aqui apresentados tendo em pano de fundo as imagens sedutoras dos anúncios que os publicitavam.
Com três exemplos de projectos do século XXI, Damián Ortega recontextualiza e traduz, em fortes imagens e formas plásticas, a decadência e o fracasso dos ideais, dos objectos e das estruturas, mas também dos sistemas modernos, cujo poder simbólico continua a fazer-se sentir. E apesar da presença marcante das suas peças e dos seus dispositivos de instalação, a imagem mais forte desta exposição permanece invisível: a passagem inexorável do tempo, os ciclos contínuos de eclosão e decadência, de construção, destruição e reconstrução. 

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB