10ª Bienal de Istambul

Texto «10ª Bienal de Istambul», publicado na Artecapital.net, Novembro 07

Mais uma bienal? Não obrigada.
Num contexto mundial saturado pela multiplicação de bienais, que são apontadas como um dos grandes perigos do sistema artístico, a tentação é a de uma vez mais reforçar o discurso anti-bienal e denunciar a excessiva institucionalização da arte, bem como a ordem consumista que rege o circuito das grandes exposições internacionais. Ainda assim, à margem das críticas, talvez seja acertado começar a pensar que o desencanto e o cansaço são os sinais do nosso tempo. Começo então por colocar uma questão que me parece essencial: O que é que procuramos num evento desta natureza? Porquê ir a Istambul? Vai-se na expectativa de que esta seja diferente da maioria dos eventos que pontuam a paisagem internacional? Mais periférica, menos espectacular e com uma identidade própria mais vincada, mais local e com linhas de trabalho mais interessantes do que as cerca de 110 bienais internacionais que se foram criando nos últimos dez anos? A sua localização geopolítica, no cruzamento de diversas influências culturais parece determinante. Não vamos a tempo, a bienal transformou-se num fenómeno fashion, e ao que parece tem sido vertiginosa a velocidade da mudança. Assim o diz Vasif Kortun, que já foi comissário de edições anteriores, e do Pavilhão turco na Bienal de Veneza, e é actualmente o director do Platform Garanti Contemporary Art Center, espaço artístico de referência em Istambul.
Pois bem, nos seus critérios expositivos e temáticos, esta 10a edição da Bienal de arte contemporânea de Istambul comissariada pelo chinês Hou Hanru não marca um lugar alternativo na história das bienais. Ainda assim há aspectos positivos a reter. Em primeiro lugar a declaração de optimismo – «Not Only Possible But also Necessary: Optimism in the Age of Global War?» – que se contrapõe aos enunciados mais desencantados que servem de mote a eventos similares. Os temas de reflexão propostos por Hou Hanru para discussão e debate centram-se sobre o impacte da globalização, quer em termos das oportunidades que oferece quer nos seus aspectos mais negativos, caso dos conflitos globais que ajuda a expandir. De resto Hanru não esconde o «mal estar do presente» e inicia o seu texto afirmando que «vivemos tempos de guerra global». Aponta as contradições, os conflitos da mundialização, mas não sucumbe ao simplismo. Concede lugar de destaque à lógica da complexidade, num espírito revisionista capaz de desafiar a situação de impasse e as tensões entre a realidade da História e o pensamento utópico.
Os lugares de exposição têm uma natureza diferenciada e as motivações são muito claras. Uma intrusão no ambiente modernista do Centro Cultural Atatürk; uma acumulação de peças no hangar do Antrepo No 3, um velho armazém portuário situado sobre o Bósforo; e a apresentação de realidades artísticas na realidade social no complexo de mil pequenas lojas do mercado de têxteis IMÇ. Todavia nem todos os lugares e soluções expositivas alcançaram o mesmo grau de êxito. O IMÇ fica aquém das expectativas. A exposição aí patente, World Factory, aborda as questões económicas, as transformações na indústria e os diferentes modelos de produção e consumo dos países desenvolvidos e em vias de desenvolvimento, mas parecem ter ficado gorados alguns dos seus pressupostos. A tentativa de levar a comunidade a participar nestes eventos e o desejo de deixar para trás o círculo restrito dos art lovers pareceu não ter conseguido realizar-se. Não houve fusão, convergência, cruzamento entre a arte e a vida que tivesse superado o estado de polarização. Não obstante, houve obras que expressaram bem as ideias temáticas propostas. Caso de The Da Zha Lan Project, de Cao Fei, que documenta as mudanças históricas, culturais, sociais e arquitectónicas que ocorreram naquela zona de Beijing, que outrora foi o centro desta cidade e um dinâmico polo da indústria artesanal, e que agora, depois de um processo de abandono, desertificação populacional e degradação, recebe a chegada de imigrantes que aí procuram a sua área residencial.
No Antrepo No 3, que alberga projectos que tratam temas relacionados com o mercado global, a emigração, o cruzamento de fronteiras internacionais misturam-se obras secundárias com intervenções de qualidade. Mas é sobretudo a exposição Burn it or not?, patente no Centro Cultural Atatürk, o momento alto desta 10ª Bienal de Istambul. Trata-se de uma exposição menos carregada de obras, com uma interessante selecção de artistas e um inteligente ritmo de leitura dos trabalhos propostos. Uma obra muito especial é a que nos prende a ouvir os testemunhos de várias pessoas sobre este edifício, situado em Taksim, a mais importante praça no centro ocidentalizado de Istambul. Nesta peça sonora de Erdem Helvacioglu, que constitui um dos dezoito artistas turcos convocados por Hou Hanru, são afloradas a carga política desta instituição pública, símbolo da visão utópica da República da Turquia, do projecto secular, progressista, moderno, do estado nação, que hoje enfrenta a possível destruição e uma controvérsia sobre o seu futuro, a proposta de demolição e a construção de um novo centro cultural. A esta presença destacada junta-se a força de trabalhos como os de Tomoko Yoneda que fotografou locais anacrónicos, símbolos da ideologia e da presença do comunismo na Hungria e na Estónia em 2004, no ano em que estes países passaram a fazer parte da União Europeia; e a série de fotografias de Vahram Aghasyan, sobre um complexo residencial de edifícios mortos numa cidade modernista fantasma, chamada Much, que o governo soviético idealizou, depois do terramoto de 1988, mas que abandonou antes de estar finalizada a sua construção.
Não creio que valha a pena discutir sobre se aqui estão os grandes valores e as tendências da época actual, mas um dos méritos inegáveis desta e de outras bienais é o seu carácter catalisador e mobilizador de questões que se prendem com a vivência do mundo actual. Consciente de que a Turquia atravessa um período delicado, gostaria de terminar realçando o caso da exposição patente no KAHEM (Centro Educativo Público Kadiköi), uma instituição que alojou projectos independentes e que está no coração da parte asiática da cidade. Construído nos anos trinta como parte do amplo projecto cultural e educativo da nova república foi negligenciado durante muito tempo pela vizinhança e pelas autoridades, mas que agora parece ter tido uma segunda oportunidade de evidenciar os seus ideais sociais e arquitectónicos. Por fim realço ainda as palavras de Beral Madra, uma das primeiras comissárias da Bienal, que na conferência O Futuro das Bienais juntou alguns «comissários-estrelas»: «o mais importante é o que muda entre a realização de duas bienais».

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB