Francisco Queirós

How could I miss you?

 

Texto «Francisco Queirós - How could I miss you?», publicado no catálogo da exposição Squatters/Ocupações, co-produção da Fundação de Serralves, Sociedade Porto 2001-Capital Europeia da Cultura, Centro de Arte Contemporânea Witte de With, 2001

Curadoria: Vicente Todolí, João Fernandes, Miguel von Hafe Pérez e Bartomeu Marí
Local: diversos lugares do Porto
Datas: 24.06 – 16.09.2001

Sempre presentes na obra de Francisco Queirós, as personagens do mundo infantil existem para protagonizar actos de explícita violência simbólica. Assim acontecia em peças como Friezenwall #1 (v.1.2 – the forest)(2000) e Friezenwall #3 (v.3.2 – 100  acre hood swimming` hole playset) (2000), onde a partir de um universo que encontra a sua  referência primordial na experiência dos videogames, mimetizava com especial ênfase os movimentos estilizados e as acções mecânicas das figuras, sublinhando a agressividade dos comportamentos retratados. Em How could I miss you? (2001) Francisco Queirós trabalha também com dispositivos de manipulação da imagem, desta vez apropriando-se de efeitos próximos do universo tradicional da animação. Não se tratando de mera opção estética, é na própria natureza do seu trabalho, na presença do desenho, no carácter pessoal do traço e na imperfeição voluntária do registo animado que se evidencia o seu significado mais amplo. Ao recuperar a memória e o estilo particular dos filmes de animação, não apenas alia a nostalgia ao reforço da ligação afectiva ao imaginário infantil, como aprofunda a complexidade da sua abordagem, tornando mais paradoxal a associação que sempre estabelece entre certa atmosfera de inocência e o desencadear de manifestações mais agressivas. O mesmo registo pautava Friezenwall#2 (v.2.2 – tiny little movie – 1) (2000), onde o som da canção entoada por um coro infantil expunha a vulnerabilidade de um pequeno melro perante a acção da criança a quem fora confiado o seu destino. Todavia em How could I miss you? a explícita ingenuidade que tudo consente no mundo das brincadeiras surge relativizada. Francisco Queirós confronta-nos, até pelo título, ao arrependimento, e é através da expressão consciente do remorso que incita o espectador a questionar a permanência e a constância dos impulsos das suas personagens. Dinâmica que a repetição infinita da cena expõe com humor e que encontrando embora âmbito universal nas relações humanas, ganha aqui, pela inclusão da pequena cabana, uma particular expressão no território familiar. Esse espaço em que a perpetuação dos gestos é norma e onde a manifestação da agressividade, pelo constrangimento da intimidade, surge quase sempre esvaziada de sentido.

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB