Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Texto «Nós, War & Love», publicado no catálogo da exposição de Alice Geirinhas, War & Love, Oeiras, Galeria 24b, 2005.

Hoje as imagens de guerra chegam-nos diariamente num fluxo incessante de difusão informativa, que associamos à circulação massiva de notícias nos meios de comunicação. A nossa relação de observadores dessas imagens não é recente, na memória colectiva existe um extenso arquivo de imagens onde permanecem as fotografias mais conhecidas de guerras. Possivelmente, aquela que é considerada a mais famosa fotografia tirada em experiência de conflito, da autoria de Robert Capa captada durante a Guerra Civil de Espanha, com o soldado republicano a ser atingido, e que viria a ser publicada na revista Life, em 1937. E se recuarmos ainda mais no tempo podemos referir o trabalho pioneiro do fotógrafo Roger Fenton, que teve por missão fotografar a Guerra da Crimeia em 1855. Desde a invenção da máquina fotográfica em 1839, a fotografia transformou-se na grande testemunha da realidade, e a existência destas imagens demonstram como a fotografia sempre teve uma relação estabelecida com o registo do sofrimento. Com os avanços técnicos alcançados, e o desenvolvimento do aparelho portátil, a fotografia mostraria a sua grande capacidade de registar com detalhe, nitidez e imediatez acontecimentos em cenários de guerra. O seu registo pareceria cada vez mais objectivo e mais transparente, dando a garantia de proximidade à realidade representada. Até hoje, quando pelo desenvolvimento das comunicações via satélite chegámos à perversidade de poder seguir em directo sucessivas guerras através do ecrã da sala de estar.
Quando falamos de imagens associadas ao drama da guerra não podemos sublinhar apenas a fotografia, temos fazer referência à história da pintura, território onde a sua representação tem uma longa tradição. Cabe-nos citar a série de gravuras Os Desastres da Guerra (1810-1820) de Goya, em que o pintor representa a violência e a barbárie dos soldados napoleónicos em guerra, mostrando como estes travaram o combate para dominar a revolta espanhola contra a dominação francesa. Entre nós, na história da pintura portuguesa, encontramos exemplos mais próximos e recentes, da segunda metade do século XX. Nomeadamente obras que integraram o movimento neo-realista, cujo principal ideal era «exprimir a realidade viva e humana de uma época». Caso de obras como Apertado pela Fome (1945) de Marcelino Vespeira, em que se baseou num poema da resistência de Paul Éluard, e em Eco do Pranto (1937) de Siqueiros, artista mexicano que havia participado na Guerra Civil de Espanha.
Na exposição War & Love, Alice Geirinhas também nos apresenta imagens de vítimas da guerra. A série é composta de seis telas, cinco delas realizadas a partir de fotografias de guerra que se fazem acompanhar de um pequeno resumo que contextualiza os acontecimentos numa história interminável de conflitos bélicos: a Guerra Civil Espanhola, a Segunda Guerra Mundial, a Guerra Civil do Líbano e a Guerra do Iraque.
Quais são as emoções causadas por estas imagens e pela apresentação e divulgação de cenas que testemunham o sofrimento dos outros? Quais os efeitos causados pelas imagens difundidas? As imagens desta natureza aproximam ou distanciam o observador da realidade? A sua banalização incita à violência ou gera apatia?
Estas questões e ideias surgem evocadas nesta exposição, assim como na obra referenciada por Alice Geirinhas neste seu novo trabalho: o ensaio Olhando o sofrimento dos outros (2003) de Susan Sontag. Neste texto a escritora norte-americana debruça-se sobre o poder da imagem, a sua função e utilização; e convocando realidades, pontos de vista e autores como Charles Baudelaire, escritor que por volta de 1860, escreve nas páginas do seu diário:

        É impossível passar os olhos por qualquer jornal, de qualquer dia, mês ou ano, sem deparar em cada linha com os mais tremendos traços de perversidade humana…Todos os jornais, da primeira à última linha, não passam de um tecido de horrores. Guerras, crimes, roubos, devassidões, torturas, os maus actos de príncipes, de nações, de indivíduos; uma orgia de atrocidade universal. E é com tal odioso aperitivo que o homem civilizado acompanha diariamente o seu repasto matinal.

A reflexão poderia abrir-se em torno de teorias que surgem analisando questões como a da utilidade e importância destas imagens na nossa sociedade, o seu papel na sensibilização e no desenvolvimento de uma consciência crítica que desencadeasse respostas activas aos conflitos. E do mesmo modo sobre questões como a da necessidade de estabelecer uma possível economia ou ecologia das imagens, num regime que permitisse controlar alguma falta de moderação na sua produção e circulação massivas. Sobretudo se pensarmos que de entre os efeitos desse excesso de consumo está a possível banalização e saturação, ou o enfraquecimento do choque que essas imagens nos podem causar. O que assim nos levaria a falar de passividade perante o que outrora nos fazia estremecer, ou de uma apatia crescente ao nível da sensibilidade, até de indiferença, ou mesmo de uma fuga pelo simples facto de que essas imagens de violência nos fazem sentir mal.
Quando olhamos para as obras de Alice Geirinhas, o primeiro dado a reter é a falta de realismo do seu registo; a artista serve-se da fotografia, de reproduções de imagens de guerra para realizar um trabalho que se apresenta como resultado da apropriação e deslocação destas imagens. Alice Geirinhas não parte da tela em branco, cita imagens, trabalha sobre aquelas que já existem. Assim ao actuar no espaço da apropriação, a artista aproxima-se do espectador, e situa-se ao nosso lado enquanto observadora dos originais. Encurta a distância tradicional entre o artista e o público, mas também faz a mediação. O anonimato é relativo, já que a sua presença reconhece-se pela intervenção plástica que realiza. No processo de trabalho a artista parte das fotografias e por intermédio da sua prática pictórica vai camuflando a imagem original, torna essas imagens genéricas, distancia-se delas como se a sua intenção não fosse sublinhar o choque e o estremecimento que alguma vez causaram. A sua memória é evocada, mas a aparência é discreta, de modo a não reabilitar as emoções a que estão associadas. O desejo da artista é criar relações de sentido a partir dessas imagens recontextualizadas, o que certamente exige o conhecimento da palavra, do contexto para o qual nos remetem. A legenda faz alusão à sua história e ajuda-nos a situá-las. O propósito da sua intervenção artística é suscitar a reflexão.
Na parede da galeria, acompanhando a exposição das telas, revelam-se fragmentos extraídos da História das Mil e Uma Noites, que contam a história de Xerazade, uma sobrevivente e heroína, que através da palavra e da sedução, impediu a morte de outras mulheres e a sua própria morte. Como relacionar esta história com estas imagens de guerra?
Que leitura nos é suscitada quando vemos lado a lado, telas como Medo, Mãe e Tereska, que evocam a memória colectiva, mas também Alice, Camila e Clara, o auto-retrato da artista com as filhas deitadas no sofá, que desde logo associamos a uma dimensão mais privada e íntima deste pequeno diário feito de imagens. Um diário que nos leva ao encontro da guerra e do amor, assim como à evocação da tranquilidade e da serenidade, e sobretudo a um ponto de chegada que nos faz pensar. E nós, podemos fazer alguma coisa?

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB