Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Crítica da exposição colectiva Depósito. Anotações sobre Densidade e Conhecimento na Reitoria da Universidade do Porto (27.01 a 30.06.2007), publicada na revista L+Arte, n. 35, Abril 2007.

Depósito. Anotações sobre Densidade e Conhecimento é uma iniciativa que mostra simultaneamente 570 peças seleccionadas a partir dos diferentes núcleos museológicos (Ciências Naturais, Engenharia, Medicina, Belas Artes, entre outros) da Universidade do Porto, bem como um conjunto de obras produzidas especialmente para esta mostra por artistas contemporâneos sobre os temas da exposição: o depósito, a colecção e o conhecimento científico.

Tal como em relação a muitas outras actividades que empreendemos na vida cultural contemporânea, a visita a uma exposição deveria avaliar-se mediante as reais repercussões que as suas propostas exercem em/sobre nós. Por exemplo, será certamente significativo averiguar o seu efeito a nível da comunicação, da produção de conhecimento, da forma de dar sentido ao que se mostra, da qualidade, e não tanto da quantidade de objectos expostos. De resto, não querendo retirar protagonismo ao papel dos artistas e às suas obras, a nova museologia vem defendendo que o projecto de exposição é um dos mais importantes recursos para o estabelecimento de uma base positiva de comunicação e de diálogo com os visitantes.

Após esta breve introdução, diria que, com esta sua nova exposição patente na Reitoria da Universidade do Porto, Paulo Cunha e Silva concebeu um projecto - centrado na ideia/imagem de depósito – que deu origem a uma mostra criativa com ambição intelectual, a qual provoca considerações sobre as áreas da museologia e da museografia, para além de outros campos do conhecimento.

Numa primeira abordagem, comecemos por referir a opção de construir o desenho da exposição, de organizar e colocar o seu espólio segundo a imagem de um depósito. Trata-se de uma zona do espaço, tradicionalmente dedicada à preservação das obras que os visitantes não vêem por não ser uma área de difusão das colecções ou objectos de interesse patrimonial. Assim, a opção pela zona de depósito confronta o espectador com uma realidade normalmente invisível no contexto das práticas museológicas.

Por outro lado, importa referir que o sistema expositivo usado na colocação dos objectos expostos reforça o desejo de reformular os discursos museológicos. Esta reafirmação e o reforço da abordagem interdisciplinar do pensamento contemporâneo e da sua perspectiva ensaística revelam-se através da adopção de uma instalação de dimensão monumental onde se dispõe uma panóplia de exemplares que marcam a evolução da história Natural ( dos minerais e rochas ao encéfalo humano) e Cultural (dos instrumentos de pedra lascada à obra de arte).

As aproximações dos artistas tomam igualmente diferentes perspectivas, disparando a reflexão em várias direcções: da evidência à sugestão, da explicitação à alusão. Os temas em questão diversificam-se, possuem derivações e implicações difíceis de congregar, mas na sua generalidade contêm a ideia de depósito, de colecções e museus. Está patente na obra de André Cepeda, de Eduardo Matos, de Mafalda Santos, de Nuno Ramalho, de Pedro Tudela, de Renato Ferrão, de Rita Castro Neves, de Sancho Silva, e ainda de Manuel Santos Maia, o qual apresenta “Alheava – para depósito”, com materiais em caixas reservas e depósitos museológicos pertencentes à série de trabalhos que realizou ao longo de sete anos sobre as vivências nas antigas colónias portuguesas e no processo de descolonização.

Se a interpelação com as peças dos museus foi um dos desafios propostos aos artistas, gostaria de salientar duas das peças mais estimulantes da exposição, dado o seu elogio à vida: Marta Menezes com “Conviver”, peça que – consistindo na instalação de uma obra de arte literalmente viva (a recriação de um ecossistema biológico num armário histórico do contexto museológico, habitualmente simples receptáculo de objectos inanimados) – coloca a questão das normas convencionais das colecções zoológicas e botânicas ou dos museus de arte, na apresentação de arte biológica, de obras com vida; João Leonardo com “Bank (White Cube)” – um cubo de 10 cm de esperma pertencente ao próprio artista que é exibido em estado sólido numa arca congeladora – que sugere três questões: a recente criação de um primeiro banco de esperma em Portugal pela Universidade do Porto; a condição solitária do ser contemporâneo; e a referência irónica ao legado da arte conceptual e minimal, tal como os múltiplos jogos linguísticos do título propõem. 

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB