Carlos Nogueira

Colecção do CAM

«Carlos Nogueira» in AA.VV, Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão: Roteiro da Colecção (pp. 172-173). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004. ISBN: 972-635-155-3

Carlos Nogueira nasceu em Moçambique, em 1947. Estudou escultura na Escola Superior de Belas Artes do Porto e diplomou-se em pintura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa. Se a escultura e a pintura são desde logo referências presentes nestes breves dados biográficos, cabe igualmente assinalar as acções performativas que marcaram a primeira fase da trajectória deste artista, que começou a expor em 1975 e realizou a sua primeira exposição individual em 1978.  Da década de setenta e também de oitenta datam muitas das intervenções em que Carlos Nogueira faz da experiência performativa e de manifestações que chamam o espectador a intervir o ponto central do seu trabalho. É o caso de os dias cinzentos/lápis de pintar dias cinzentos (Galeria Diferença): na noite de passagem do Inverno para a Primavera de 1979, decidiu oferecer ao público lápis de cor com uma etiqueta onde se podia ler «lápis de pintar dias cinzentos»,  destacando por intermédio dessa acção que decorreu em tempo real a sensibilidade poética que iria caracterizar todos os seus trabalhos posteriores. Nomeadamente nos trabalhos escultóricos que desenvolveu nos últimos trinta anos, procurando os seus temas  no mundo natural  - floresta, rio, água, céu, mar – e estabelecendo como base da sua prática artística a expressão de uma relação simbólica com o mundo. Reflexo disso são os muitos títulos e obras que consagra a estes temas: por exemplo, paisagens das terras do monte e da pele (Galeria Diferença, 1985), entre duas águas (Museu Nacional de Évora, 1992), as portas do rio te estão abertas (Assírio e Alvim, 1996) e ainda a intervenção de arte pública que realiza em 1993, uma floresta como um rio, com grandes mastros de aço pintados de branco que se dispunham num terreno contíguo à Avenida Calouste Gulbenkian, em Lisboa.
Emblemático do seu trabalho é também o uso de materiais do quotidiano e industriais – o ferro, o aço, o mosaico hidráulico, o vidro – aos quais confere poder de evocação poética e uma existência que, de lugar para lugar, remete simultaneamente a sua obra para o sentimento de corporalidade e imaterialidade, de peso e leveza, do íntimo e do infinito. Obra exemplar desse ponto de vista é beyond the very edge of the earth [até ao fim das terras todas] (1997/1998), instalação escultórica que executou no espaço urbano de Londres, na The Economist Plaza, e onde usou elementos construtivos, como o mosaico hidráulico, para construir um corredor em forma de «L» que mais parecia estar suspenso, e que pelas suas dimensões (6x3m) vinha colocar a questão da possibilidade (e da impossibilidade) de o espectador realizar o seu percurso.
Este mesmo material foi ainda usado pelo artista para conceber várias outras peças de geometria depurada que apresentou em espaços interiores, caso de construção com chão branco a partir de dentro (1997/1998), que integrou a exposição retrospectiva da obra do Arq.º Luís Cristino da Silva na Fundação Calouste Gulbenkian, e o conjunto de trabalhos exibidos no Pavilhão Branco no Museu da Cidade, por ocasião da sua exposição individual a noite e branco.
Em 2002, a Fundação Calouste Gulbenkian foi também o local escolhido para a realização da exposição individual que se intitulou a ver (1998/2002), onde Carlos Nogueira alia de forma exemplar a  prática escultórica do seu trabalho ao domínio da arquitectura e às noções de lugar e  paisagem. Nesta intervenção que faz hoje parte integrante da colecção do CAM, ele usou lajes de mármore, o ferro e o vidro espelhado para construir na sala de exposições temporárias uma verdadeira «paisagem» que tinha a particularidade de conferir novas coordenadas e novos horizontes àquele lugar. Assim após o espectador passar a antecâmara, o espaço expositivo abria-se-lhe ao olhar, encontrando na galeria uma área dividida longitudinalmente por uma vala onde se depositava cinza e carvão, um pavimento de mármore que dava a ilusão de estar em suspensão, bem como o som ambiente que colocava esta sala em diálogo com o espaço exterior. Nomeadamente com o jardim da Fundação, onde o artista captou os diversos sons que viriam a caracterizar pontualmente o ambiente desta instalação a que chamou «dentro», e para a qual desenhou um projecto ainda não realizado que se intitulou “do outro lado”, constituído por uma estrutura de grandes dimensões feita de «betão, pedra, carvão, ferro, vidro, céu, vento, sol e som dos jardins e dos aviões quando passam», segundo a sua própria descrição no catálogo que acompanhou a mostra. De resto é nos fragmentos escritos que acompanham os seus estudos que  Carlos Nogueira reafirma o ponto de partida da presente obra - «perceber a singularidade de cada lugar»  e «construir um espaço dentro e outro do outro lado tão autónomos como complementares».

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB