Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Texto «Arquivo Contemporâneo», sobre a exposição 321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular. Coimbra: Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, 2001.

Texto de apresentação da Colecção de Ivo Martins, uma exposição comissariada por Paulo Mendes.
Local: CAPC, Coimbra
Inauguração: 24.02.2001

 

Na série O Coleccionador de Belas-Artes (1970) António Areal apresenta-nos uma figura apagada num espaço discursivo dominado pelo gosto eclético e por padrões de consumo elitistas. Ao longo de todo o século XX a acção do coleccionador de arte foi frequentemente associada ao conservadorismo e a uma sensibilidade adversa ao carácter experimental das manifestações artísticas de vanguarda. O seu papel no mundo da arte seria implicitamente desconsiderado nas referências derisórias dos manifestos futuristas, já que o estatuto sacralizado das obras artísticas do passado e a valorização do conceito tradicional de arte seriam sustentados de modo semelhante pelos detentores de colecções privadas e pelas estruturas institucionais associadas à preservação dos cânones oficiais da arte: a Escola de Belas Artes, o Museu.
É no contexto social e político da segunda metade deste século que o fosso existente entre a vocação académica dos Coleccionadores de Arte e os apelos das novas vanguardas se agudizam, em consequência da generalização dos movimentos colectivos de protesto. No quadro da revolta contra todas as formas de autoridade que anima estes círculos torna-se crescente a desconfiança em relação às regras de um sistema que no domínio das artes parecia reconhecer apenas a relevância estética da arte consagrada, votando ao isolamento as pesquisas que ensaiavam uma aproximação da arte à praxis social. Caíam ainda sob suspeita a dinâmica dos comportamentos que presidiam à afirmação de um grupo social através da aura da generosidade e da partilha do «bom gosto», bem como as repercussões negativas que a provável ligação a uma estratégia de teor mercantilista por certo confirmava.
É nestas circunstâncias que se desencadeiam na prática artística manifestações que obedeciam ao esforço de limitar as repercussões e efeitos das leis do mercado no campo das artes, reclamando o exercício de uma criatividade não conformada aos critérios económicos e aos ditames do mercado. Através das suas performances, dos projectos de land art, body art e formas da arte conceptual, os artistas procuraram estabelecer acções que constituíssem uma alternativa aos valores da objectualidade e ao estatuto dos géneros convencionais, bem como à definição de fronteiras entre as categorias artísticas e aos princípios da autonomia da arte. É assim que ao trabalhar segundo modos de produção incompatíveis com os espaços físicos e discursivos reconhecidos, e ao pautarem a sua intervenção ao nível da distribuição e recepção do fenómeno artístico, sob modos alternativos em relação aos canais de distribuição e às normas do sistema artístico, eles vêm responder ao apelo de mudança preconizado em muitas áreas da vida cultural e política.
É certo que ainda hoje se questiona o alcance das alterações reclamadas por esta nova geração em relação ao circuito dos agentes e dos espaços convencionais da arte – alguns dos seus projectos acabariam por ser comercializados sob a forma de documentos, em suportes de registo. Menos ambígua viria a revelar-se a situação estabelecida nos modos de relacionamento entre os artistas e as estruturas de mediação e recepção do fenómeno artístico nos anos 80. Com efeito o enfraquecimento do domínio experimental e a reafirmação do sentido disciplinar, que vieram caracterizar as tendências artísticas da década, determinaram no campo da circulação dos objectos de arte uma reabilitação generalizada do consenso promocional partilhado entre artistas e estruturas institucionais. O retorno à pintura e à escultura, a adesão galerística e a forte dinâmica do mercado de arte seriam as marcas mais sintomáticas da nova década.
É por pautar a sua intervenção por outros valores e por um entendimento diverso da acção artística que a geração de 90 entrará em divergência com a situação instalada. As exigências de uma visão dissonante serão equacionadas com o tom mais crítico das intervenções dos anos 70, e as suas propostas acabariam por evidenciar os mecanismos e as condições materiais e sociais da produção, mediação e recepção artística.
Caracterizado o coleccionador nas referências da vanguarda como o agente de uma cultura regida por padrões elitistas, o inimigo fatal da prática experimental, o fiel defensor da preservação das obras artísticas do passado, impõe-se ponderar o alcance de todos estes movimentos de emancipação crítica e tendências adversas ao coleccionismo. O radicalismo das suas posições essencialmente reagia à imagem convencional do coleccionador, que, numa sociedade em constante mudança, se apegava incondicionalmente aos valores da tradição e às referências de sucesso galerístico, desinteressando-se do trabalho dos artistas das novas gerações. Em causa nunca parece ter estado a actuação dos coleccionadores que aceitavam os desafios propostos pela arte contemporânea mais experimental e privilegiavam uma vocação cultural em detrimento do posicionamento estritamente mercantilista em relação ao fenómeno artístico.
Senão, como compreender a relação que Marcel Duchamp manteve com alguns coleccionadores de arte? Apesar de suas atitudes irreverentes, não se pode ignorar que Duchamp manteve boas relações com coleccionadores que acompanhavam de perto o seu percurso e o de outros artistas. É o caso de Walter Conrad Arensberg, mecenas cuja colecção reúne grande parte das suas obras, e que apoiou o lançamento de várias iniciativas em que Duchamp esteve implicado. Em 1916 Arensberg funda, com Duchamp e outros artistas, a Society of Independent Artists Inc., com o objectivo de reforçar as posições modernistas nos EUA, e no ano seguinte colabora ainda na publicação de duas revistas de inspiração Dada –The Blind Man e Rongwrong. Arensberg assistirá ao episódio da Fountain que ocorre naquela Sociedade em 1917, e em favor da tomada de posição de Duchamp resigna às suas funções numa atitude de protesto contra a decisão tomada pelo conselho daquela instituição.
De resto, numa época em que a aceitação da arte contemporânea se circunscreve a uma divulgação frequentemente espectacularizada, em mega-exposições e na apresentação de valores artísticos consagrados ou relativamente seguros, a acção específica destes coleccionadores reveste-se de um mais amplo significado. Adquirindo obras que pelas suas características não são facilmente canalizadas no circuito galerístico e institucional, compreendendo a importância do apoio financeiro que concedem aos artistas, facultando-lhes o prosseguimento das suas pesquisas, e manifestando um genuíno interesse cultural pelas suas iniciativas, estes coleccionadores estão afinal a recusar os condicionalismos formais e sociais a que está sujeita a circulação das obras de arte contemporâneas.
É a esta luz que cabe destacar a Colecção de Ivo Martins. A forma de construção da sua colecção particular, bem como as obras que possui, traduzem a atenção que vem dedicando a um segmento da actividade artística não inserido nos circuitos de mercado, e que só muito pontual e tardiamente seria agenciada no programa cultural e artístico das instituições nacionais. Para lá do interesse por obras históricas de Joaquim Bravo e Álvaro Lapa, Ivo Martins acompanhou de perto as intervenções de jovens artistas, bem como algumas iniciativas de âmbito colectivo, caso dos Homeostéticos, de Xana e Fernando Brito e da chamada geração de 90. Um esforço que seria iniciado no contexto da Galeria A5 em Santo Tirso, lugar onde organizou a exposição Alegorias de uma crise (1993), um evento que contou com a participação de Miguel Leal e Cristina Mateus, e que pode ser evocado enquanto espaço a partir do qual foi alicerçando uma rede de cumplicidades que mais tarde o levariam ao encontro de outros autores e ao conhecimento de diferentes universos da criação, de António de Sousa, Fernando José Pereira, Miguel Soares, Paulo Mendes, Pedro Cabral Santo, Rui Serra.
É então a partir da proposta de comissariado de Paulo Mendes que no espaço do Círculo de Artes Plásticas de Coimbra se podem ver reunidas algumas das peças que simbolicamente configuram o percurso vivencial do seu autor. Afinal Ivo Martins assume a dimensão afectiva das suas escolhas, assim demarcando-se das pretensões museológicas que motivam as frequentes estratégias aquisitivas de natureza enciclopédica. Para além disso, reúne na sua colecção particular algumas das peças que marcaram a cena artística nacional das últimas décadas, e sem rejeitar os desafios inerentes à prática que desenvolve, acaba por promover uma consequente descentralização e dinamização do panorama artístico. Daí o seu contributo para a progressiva receptividade de projectos de difícil comercialização e para o lançamento de iniciativas culturais desenvolvidas por galerias e espaços culturais dispostos a protagonizar uma política de colaboração com artistas mais jovens.

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB