Pedro Gomes

Ter

Texto «A posse do objecto raro», publicado no catálogo da exposição de Pedro Gomes, Ter, Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa, 2005, pp. 45-48.

Pedro Gomes faz do desenho o meio preferencial para desenvolver uma linha de trabalho assente nos paradigmas de representação visual e no estatuto codificado da imagem.  Em trabalhos como os da série Habitat, usando a esferográfica e um registo de enovelados, recriou paisagens urbanas a partir de ampliações fotográficas. O processo de realização manual consistia em abstrair, reduzir e estilizar os contornos e as formas do visível para exercer desse modo a passagem da imagem da realidade ao símbolo. O resultado vinha intensificar a condição anónima e indiferenciada daquelas paisagens, e pelo recurso à sobreposição de diferentes manchas de cor e à ideia de negativo, modos de fabrico empregados na reproductibilidade mecânica, Pedro Gomes evidenciava a sua condição de imagem reproduzida.
Noutras séries, em Paraíso ou Piscinas e Montanhas, ele apresentava paisagens e ambientes desejados pelo homem contemporâneo, dando ênfase à sua representação esquemática, aos códigos simbólicos da cultura visual. Nesses trabalhos os pormenores do real concreto perdiam-se pela simplificação das formas físicas da realidade e das paisagens representadas, num tratamento que evidenciava a sua qualidade de cenários estereotipados e ironizava sobre o valor simbólico das imagens e a tendência para a sublimação idealizadora.
Seguindo os princípios de representação de anteriores trabalhos, nas obras que integravam o Projecto Calçada da Ajuda, intervenção que ocorreu num espaço familiar desabitado, Pedro Gomes mostrava desenhos murais realizados com pó e desperdícios, que colocavam o visitante perante imagens de linhas e manchas definindo num tratamento simplificado uma figura masculina no acto da masturbação. Neles conservava-se o registo estilizado já antes praticado, mas ao contrário da equivalência universal dominante nas paisagens e montanhas,  demarcava-se um espaço de intimidade, privado, correspondente à expressão da identidade singular e do prazer na sua solitária singularidade.
Nos últimos trabalhos que vem desenvolvendo, Pedro Gomes centra a sua visão e reflexão no acto de coleccionar e na condição contemporânea dos objectos antigos, trabalhando a partir da apropriação da imagem de objectos e peças com alto valor simbólico: trata-se de objectos de arte decorativa a que culturalmente atribuímos o estatuto de excepção e transcendência em virtude da historicidade, da raridade, do exotismo e da sua beleza. São objectos raros de colecção, objectos puros, cuja história exige lembrança, cuidados de preservação, respeito e um lugar na memória. O facto de o objecto ter tido um proprietário célebre confere-lhe um valor acrescido.
No espaço privado estas obras de arte guardam-se como peças do património familiar, como relíquias que despoletam sentimentos de afectividade, e que conferem prestígio social aos seus detentores. No espaço do museu a sua existência é partilhada, exibem-se como testemunho da produção artística do passado, como exemplares de um estilo, de uma época, promovendo a construção de um sentimento de pertença e de identidade colectiva. Nas suas salas apresentam-se em vitrines, destituídos de funcionalidade, deixando de ser encarados como mesas, cadeiras ou candelabros para se tornarem obras de arte. Passam a ser objectos de um discurso, tornam-se peças especiais no sistema dos objectos, com um lugar destacado na respectiva série. São contemplados à distância, analisados, estudados, passam a ter uma história própria com direito a bilhete de identidade.
Motivado por estas questões, Pedro Gomes consegue instituir neste seu novo trabalho uma relação muito particular com estes objectos. Realizou uma série de desenhos a tinta da china e no Museu Nacional de Arte Antiga apresentou uma instalação que tinha como ponto de partida o verbo Ter, com uma série de trabalhos em que se apropriava dos objectos expostos para com eles estabelecer uma relação particular entre o seu próprio corpo e o domínio dos objectos. Assim intensificava a sua condição de símbolos, facto acentuado pelas técnicas e registo utilizados pelo artista nessas obras: apresentação de alto contraste, desenho límpido que isola a figura no fundo, que explora a opacidade das silhuetas negras, oferecendo uma visão padronizada de cada objecto. Não importa se são realizados em prata, porcelana, ouro.
Ao mesmo tempo que confere uma extrema legibilidade à realidade simbólica desses símbolos, por meio da configuração de uma imagem que abstractiza, avança para a padronização, distanciando-se da realidade singular de cada objecto, Pedro Gomes procura investir num outro sentido, o da proximidade que mantém com os objectos. Nos desenhos o corpo do artista toma posição, integra os objectos no mundo real, sem contudo lhes restituir o plano da função utilitária que é, a par da beleza, uma das características da artes decorativas. Pedro Gomes não expõe os gestos ditados pela função prática, reinventa um novo modo de relacionamento com eles. A partir de actos simples, em que o seu corpo está em permanente experiência com o objecto, ele projecta uma dimensão pessoal nos objectos, como se o funcional se desfizesse no subjectivo. Ou seja, intensifica o investimento passional, instaurando um domínio privado marcado pela auto-representação. Neles toma o lugar de mediador, a quem é dado, expondo impulsos primários, de relação de posse, materializar a apropriação de um objecto abstraído da sua função. Expõe a evidência da posse, consuma o desejo de ter, tornando cada peça um objecto a ser possuído. Significativa é também a existência de uma sucessão de objectos, que eleva a um grau extremo o sentimento de posse. Como é próprio da natureza de coleccionar,  quando o empreendimento de possuir revela-se uma repetição de objectos, que pode não ter fim.

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB