Helena Almeida

Colecção CAM

«Helena Almeida» in Más que Vanguardia. Arte Portugués entre dos Siglos - Fondos de la Colección Moderna / Museo Calouste Gulbenkian, Lisboa. Burgos: Fundación Caja de Burgos, 2016. ISBN: 978-84-92637-91-1

Helena Almeida realiza em 1967 a sua primeira exposição individual. Antes disso a artista já vinha mostrando em exposições colectivas, a partir de 1954, pinturas de carácter figurativo. É uma fase da sua obra que não tarda a abandonar, determinação a que não será alheia a sua passagem por Paris em 1964-65, onde permanece um ano na condição de bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian. Fruto das novas pesquisas abstracto-geométricas destes anos são os quadros que expõe em 1967 na Galeria Buchholz. Nessas obras, as figuras geométricas ocupam o espaço pictural formando uma multiplicidade de planos, e numa delas dispõe-se um dos seus rectângulos de modo a sugerir uma tira a deslocar-se do suporte. Se neste momento Helena Almeida ainda trabalha apenas ao nível do espaço ilusório da tela, preocupada com a representação dos volumes, a negação do espaço bidimensional, ideia-base da fase posterior, estava aí prenunciada. Com efeito, nos dois anos seguintes e na mesma galeria, a artista expõe obras que aprofundam os valores da objectualidade. Nelas podemos observar elementos pictóricos volumetrizados saindo do plano para o espaço real. Dos mesmos anos são também as séries de quadros onde a artista expõe os versos da tela numa atitude de clara negação do suporte enquanto dispositivo representacional, chegando mesmo a apresentar um quadro antropormofizado.
Nos desenhos a tinta da china com colagem de fio de crina saem da superfície branca do papel linhas verdadeiras, traçadas manualmente as de tinta, coladas ao suporte as de fio. Num jogo de ambiguidades, Helena Almeida apresenta nas suas obras dois tipos de desenho, ou melhor, conjuga formas antagónicas de realizar um desenho: uma prática de desenho «tradicional» e uma prática de anti-desenho. O seu desenho «académico» constitui um verdadeiro desenho traçado, no qual as linhas são traçadas num plano com materiais como a tinta da china. Já no domínio da colagem ela explora as potencialidades de um desenho volumétrico, construído com materiais físicos. Estes desenhos mostram então, lado a lado, as linhas plásticas e o objecto real que é dado figurarem. Note-se que esta ideia é sugerida com grande eficácia, pois não se concretiza somente em desenhos-esculturas; dispondo-se na continuidade das linhas desenhadas, os fios de crina parecem evocar o processo da sua transmutação ficcional. Explorando novos meios de expressão baseados na articulação de planos pictóricos e volumes, Helena Almeida estabelece assim uma ponte entre a pintura e a escultura. É uma relação que, na sua produção artística, surge escorada numa permanente preocupação ao nível do entendimento das próprias leis de figuração e na representação enquanto forma de desconstrução do acto de criação artística. 

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB