O poder da arte

Crítica da exposição colectiva O Poder da Arte, colecção de Serralves na Assembleia da República (12.01-16.04.2006), publicada na revista L+Arte, n. 22, Março 2006, p. 88 e 89.

O programa de itinerância de exposições da Fundação de Serralves, que abrange mostras inicialmente apresentadas no Museu ou a produção de propostas especificamente delineadas para novos espaços de acolhimento em diferentes localidades, tem sido desenvolvido com grande dinamismo pela instituição, e desempenhado um papel especialmente interessante: promover a arte contemporânea junto dos seus públicos e desenvolver apresentações parcelares do seu acervo, segundo diversos temas e percursos. A mais recente, que tem lugar no Palácio de São Bento, em Lisboa, intitula-se O Poder da Arte e assinala a primeira grande exposição de Serralves em Lisboa, bem como a continuidade de um programa de exposições de arte contemporânea desenvolvido pela Assembleia da República. A exposição mostra-nos 66 obras da autoria de 53 nomes da arte portuguesa e internacional, reunindo diferentes meios de expressão, como a pintura, a escultura, o vídeo e a instalação, numa iniciativa que propicia o encontro entre as esferas da arte e do poder político. Como o título indica, a ideia foi suscitar modos de confrontação novos com o fenómeno artístico, num espaço comum de acção participativa em que a função comunitária da arte e da política saem reforçadas.
Esse encontro faz desta exposição uma experiência de intercâmbio de ideias sobre os diferentes modos de entender as relações de poder. Algumas das obras expostas apresentam reflexões sobre a situação política, e um núcleo abrangente de reflexões sobre a condição humana, as questões da identidade e valores da sociedade contemporânea. Outra das marcas desta exposição é a apresentação de propostas que diversificam os pontos de vista acerca da relação entre a arte e a política e permitem superar o horizonte de tensões entre contrários que enquadra normalmente o regime estético da arte: aquele que opõe o entendimento da arte como realidade autónoma à esfera da arte comprometida, uma arte pela arte à criação artística ao serviço da intervenção política, uma arte do museu e dos lugares institucionais a uma arte da rua. No conjunto das peças apresentadas encontramos obras em que se evidenciam mais claramente ideias políticas ou sociais e outras em que a neutralidade e a autosuficiência do discurso artístico requer novas abordagens por efeito da natureza do espaço fisíco e simbólico que ocupam. Nesse sentido cabe salientar o próprio poder do contexto e da montagem da exposição em suscitar pontos de vista singulares sobre as obras de arte, bem como o poder da interpretação que, ao invés de reduzir o seu sentido a um desejado verdadeiro significado supostamente intrínseco à obra, enriquece a construção de novos sentidos e experiências únicas, sejam intelectuais ou emocionais.
Em relação às soluções de exposição encontramos obviamente algumas que são condicionadas pelas limitações naturais do espaço e pelas características da arquitectura e o peso do lugar, mas também outras que reflectem de forma eficaz o diálogo e o confronto entre os significados que possam ter os diversos espaços escolhidos do Parlamento e as obras de arte contemporânea seleccionadas para os ocupar. É o caso destas que gostaria de destacar: a peça de João Tabarra Barricades Improvisées (2001) mostrada no início do percurso, Posto de Observação/Atlas Coelestis V (1994) de Pedro Cabrita Reis situada na Sala dos Passos Perdidos, de Retrato de Família (1968) de José de Guimarães, exposta numa sala com murais alusivos a episódios dos Descobrimentos, Le Portugal, un Lieu à Decouvrir (1996) de Fernando José Pereira que surge na proximidade da agência de viagens do Parlamento e Amália Traída (2004) de Franceso Vezzoli, cuja instalação na sala de Conferências de Imprensa resulta na perfeição. Resta mencionar a excelente instalação de Pedro Portugal que ocupa a escadaria principal da Assembleia. Trata-se de Circuito de Manutenção (2006) em que o artista expõe um sinal fronteiriço e desenha a forma cartográfica do país com peças cilíndricas de madeira de eucalipto, numa alusão concreta à plantação desenfreada da árvore e ao horizonte político, social e cultural que nos define.

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB