Pedro dos Reis

A resistência das imagens

«A resistência da imagem» in Sometimes the best way to find something is to move away from it (pp. 57-63). Vila do Conde: Solar - Galeria de Arte Cinemática. ISBN: 978-972-98574-3-0.

Exposição: Pedro dos Reis – Sometimes the best way to find something is to move away from it
Curadoria: Sandra Vieira Jürgens
Local: Solar - Galeria de Arte Cinemática, Vila do Conde
Data: 26.11.2011 – 12.02.2012

A obra de Pedro dos Reis, presente na Solar, caracteriza-se por um exercício de contínuo deslocamento entre imagens, paisagens, contextos e experiências no espaço e no tempo. Essa é uma das questões centrais do seu projecto, que se reflecte tanto no plano temático das suas imagens como nos meios e dispositivos técnicos que usa para instalar a peça no espaço.
Se o título Sometimes the best way to find something is to move away from it faz primeiramente referência a uma experiência pessoal do autor, como esclarece em conversa com Miguel Palma reproduzida neste catálogo, o foco deste trabalho transcende esse âmbito biográfico, constituindo um modo de reflexão sobre como habitamos e estamos no mundo. Pedro dos Reis viveu em Nova Iorque entre 2004 e 2010, encetando no ano de regresso a Portugal um processo de reconstrução de memórias, de relações, de percursos e de espaços. Esse retomar, mais do que um reconhecimento do que foi deixado para trás, é um despertar de consciência sobre a sua própria condição e o mundo que o rodeia. Através das suas imagens e de referências ao espaço em que se encontra, demorada ou fugazmente, Pedro dos Reis assinala as observações, mostrando como vê e sente o espaço que percorre. Assim, o que ele fundamentalmente analisa é a real percepção ou transformação da nossa experiência na forma como podemos revisitar, redescobrir e reconstruir a relação que mantemos com os espaços envolventes.
Através de imagens registadas em diferentes paragens, sobretudo em Lisboa e Vila do Conde, o autor constitui uma sucessão narrativa de imagens que, apesar de realizada especificamente para esta exposição, situa-se numa linha de continuidade em relação aos temas presentes em anteriores trabalhos seus, produzidos sobretudo nos Estados Unidos, onde no domínio da fotografia captou diferentes aspetos e contextos da cultura urbana. Assim acontece na série Notes – one urban short story (2008) e Case Study (2011) onde elabora o que define como imagens-pensamento, que formam ensaios visuais, registando pessoas, ambientes e observações diárias, por vezes acompanhadas de elementos textuais, que procuram criar significado na forma como habitamos a cidade e vivemos a relação com o espaço.
Não obstante essa continuidade temática, existe contudo, neste projecto realizado para a Solar, uma diferença na forma como Pedro dos Reis aborda e apresenta a sua obra. Ela é singular à luz de parte significativa do seu percurso, na medida em que constitui um desvio relativo aos materiais com que normalmente desenvolve o seu trabalho. Aqui Pedro dos Reis explora intensamente a ideia de deslocamento dos meios, ao descentrar a sua prática dos parâmetros especificamente fotográficos para o domínio da instalação. Se uma boa parte das suas obras são realizadas com recurso à fotografia e ao vídeo, neste caso, o trabalho que apresenta escapa ao domínio mais restritivo destas disciplinas. Sometimes the best way to find something is to move away from it consiste na apresentação de dois projectores de carrossel carregados com 80 fotografias cada, transferidas para os diapositivos a projectar.
Neste sentido Pedro dos Reis desenvolve novas experiências relacionadas com a relação entre as imagens fixas e em movimento. Constituída a partir de diapositivos, tratou-se de dar movimento ao encadeamento das imagens. Mas conferir a ilusão de movimento à fotografia através do dispositivo de projecção, ou aproximar-se conceptualmente da linguagem cinematográfica, não são as intenções relevantes da operação: ao criar um mecanismo de sobreposição de imagens, projectadas no mesmo plano, o autor conduz a um processo de leitura que privilegia a conexão das imagens e a sucessão e encadeamento do conjunto em detrimento da unidade do plano. A nova imagem interfere com a anterior e assim sucessivamente, tal como se todas elas estivessem encadeadas umas nas outras. Mais do que a fotografia, valoriza-se o conjunto, a sucessão de imagens.
A projecção não se fixa numa imagem, avança para outras paragens, como num mecanismo relacional que, em detrimento da lógica da individualização da fotografia, da estabilidade e da contemplação da imagem, engendra o desenrolar de imagens, a sequência da projecção. O que importa é o fluxo. Não deixa de ser interessante que em torno de cada imagem nasçam outras, formando-se um campo de impressões que escapam à fixação ou determinação do lugar. O que ocorre é a ilusão de permanência simultânea em diferentes espaços ou uma situação de referência reiterada, em que uma imagem se refere a outra, que se refere a outra ainda, sem que possamos saber qual é o ponto inicial. O reconhecimento afinal dilui-se, e essa indefinição adensa-se.
Este processo de perda de autonomia da imagem é acompanhado pelas possibilidades de construção de espaços e relações que configuram, material e simbolicamente, um território comum. Não apenas em relação ao registo fundido e sequencial das imagens, mas nas alterações produzidas no acto de recepção. Ao entrar no espaço expositivo, o visitante depara-se com um exercício de montagem dinâmica, que o interpela directamente, e cuja instalação convida à participação, à integração, à deslocação e prospecção activa no espaço, num envolvimento pouco compatível com a tomada de posição contemplativa.
E o imprevisto pode sempre acontecer. Como Nestor Garcia Canclini afirma num texto de 2009, não existe a categoria «o público», «os visitantes», «os leitores», pois estes modificam ou recriam o significado das obras em distintas direcções, de modos imprevistos pelos autores e pelos curadores[1].


Footnotes

  1. ^ Nestor Garcia Canclini, «¿De qué hablamos cuando hablamos de resistencia?» in Estudios visuales, n. 7, Dezembro de 2009, pp.16-36.

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB