Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

«Miguel Palma» in AA.VV, Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão: Roteiro da Colecção (pp. 178-179). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004. ISBN: 972-635-155-3

Miguel Palma nasceu em Lisboa, em 1964. Estudou na Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa entre 1984 e 1986. Na primeira fase da sua carreira artística, na segunda metade dos anos oitenta, ele adopta preferencialmente o betão e o ferro para desenvolver em escultura um trabalho que interpreta nas formas dos objectos realidades portadoras de um sentido estético. Assim, em 1989, quando realiza a sua primeira exposição individual na galeria Quadrum, propõe uma instalação intitulada Ludo, na qual estão presentes uma série de peças que reproduzem artefactos e equipamentos associados a determinados jogos e divertimentos. Durante a década de noventa Miguel Palma continua em parte a realizar peças escultóricas usando os mesmos materiais, e paralelamente começa a produzir um grande número de trabalhos que se destacam pela criação de engenhos pouco convencionais. Neste conjunto de trabalhos encontram-se obras como Olho Mágico (1993), estrutura de grande formato, cujo impacte deriva da sua aparente proximidade ao campo da engenharia e da indústria tecnológica, e Engenho (1993), protótipo de um veículo automóvel construído e mais tarde conduzido de Lisboa ao Porto pelo artista, em 29 de Julho, para a inauguração da exposição Imagens para os anos 90 (Fundação de Serralves, 1993). Esta acção tem um especial significado no conjunto da sua obra do artista, remetendo-nos para uma componente que Palma passa a desenvolver com frequência nos seus trabalhos. Essa dimensão está muito presente, por exemplo, nas acções que concretiza em esferas da actividade humana não directamente associadas à produção artística. É assim que é conveniente situar uma das suas intervenções recentes, Prova de Artista (2001), em que o ele participava numa competição do calendário automobilístico, o Campeonato Nacional de Velocidade – Clássicos Históricos (71), tendo usado mais tarde o espaço da galeria Cristina Guerra para expor o projecto. No contexto da mostra apresentava uma performance e diferentes peças de exposição, entre elas cenários e acessórios relacionados com a prova, mas também vídeos  que evocavam as diversas etapas e certos acontecimentos marcantes da sua experiência vivida.
Semelhante dimensão experimental verificou-se também numa exposição realizada no Museu do Chiado, intitulada Exposição de Ocasião (2000). Nessa mostra, Palma fornecia informação sobre uma intervenção artística que visava a venda de obras suas, antigas e recentes, expondo um conjunto de materiais onde se incluiam os anúncios comerciais publicados em diversos títulos da imprensa diária e semanal, e o registo áudio de conversas telefónicas recebidas pelo artista durante a exposição, que tinham o interesse de revelar as expectativas e as reacções dos  potenciais interessados na compra dessas peças.
Na colecção do CAM a produção artística de Miguel Palma está representada pela obra Cemiterra-Geraterra, escultura em ferro situada no jardim da Fundação Calouste Gulbenkian, a que está associado um projecto de instalação muito particular, o qual abarcou o período de 1991 a 2000, ano em que Miguel Palma resgatou um paralelepípedo enterrado dez anos antes, que guardava no interior um globo terrestre. Nesta obra, o autor sugere visões da relação do homem com o mundo exterior, ocupando-se, simultaneamente de algumas questões fundamentais da prática escultórica, nomeadamente o conceito de monumento, a relação entre escalas de grandeza, e entre o volume e o espaço, remetendo-nos ainda para outros princípios, como seja a deslocação espacial, a transição entre interior e exterior, e a dimensão temporal, que encontra expressão em muitas das suas obras. Um exemplo são as réplicas e antiguidades que Palma recupera em múltiplos contextos, para desenvolver por seu meio perspectivas relacionadas com a experiência de passagem do tempo: veja-se as peças de mobiliário e os automóveis de colecção (respectivamente um modelo Morris Mini de 1968 e um DKW de 1939) que incluiu em duas recentes mostras individuais, Mini Mind (Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, 2002) e 1/1:1250 (Galeria Graça Brandão, 2003), onde estabelece diferentes associações entre passado e presente e torna a prática do coleccionismo a referência central de muitas das criações expostas. 

Close

Damián Ortega

O ponto zero

Instalações Provisórias

Independência, autonomia, alternativa e informalidade. Artistas e exposições em Portugal no século XX

Helena Almeida

Colecção CAM

António Palolo

Colecção CAM

António Areal

A.H.A.Q.O.V.F.P.P.S.A.F.T.

André Alves

Arame farpado/Dinamite: O poder da circulação livre

Desvios e derivas

Práticas críticas, artísticas e curatoriais, no contexto urbano

O que mudou?

Das casas-ateliers aos estúdios do século XXI

Artistas-curadores

Novas condições para a exposição da arte

Neo-modernos

Revisitar os clássicos do século XX

Usos e recursos da arte contemporânea

Instalações fabris, economia e estética do abandono na era pós-industrial

Performatividade difusa

Objectos, instalações e animais domésticos

Das Academias às Universidades

O artista como investigador

A sagração do «white cube»

A persistência de um modelo moderno

Arte Trabalho Museus Fábricas

COLLECTING COLLECTIONS AND CONCEPTS

Do it! Edit Yourself

A auto-edição em Portugal

O estado dos museus

Sucessos e fracassos do turismo cultural

Pedro dos Reis

A resistência das imagens

Miguel Palma

Acerca da densidade e do movimento

Parar e pensar... no mundo da arte

Bettina Funcke: Entrevista

100 Notes -100 Thoughts / dOCUMENTA (13)

Miguel Palma

A Falácia do Desejo

Una luz dura, sin compasión

El movimiento de la fotografía obrera, 1926-1939

Bárbara Coutinho: Entrevista

MUDE

Manuel Borja-Villel: Entrevista

O Reina Sofía é como uma cidade

João Fernandes: Entrevista

Tudo é possível quando falamos de Arte

David Santos: Entrevista

Museu do Neo-Realismo

João Maria Gusmão + Pedro Paiva

Bienal de Veneza 2009

Natxo Checa

Bienal de Veneza 2009

Paulo Mendes: Entrevista

Para uma arte política

Alexandre Pomar

Entrevista

João Pinharanda

Entrevista

10ª Bienal de Istambul

Gustavo Sumpta: Entrevista

RE.AL

Pedro Amaral

BAD BOY PAINTING COMICS

Raquel Henriques da Silva

Entrevista

Depósito

Anotações sobre Densidade e Conhecimento

Gustavo Sumpta

Primeira Lição de Voo Pobre não tem Metafísica

João Fonte Santa

O Aprendiz Preguiçoso

Luís Serpa: Entrevista

«Depois do Modernismo» & Galeria Cómicos

A acção do artista-comissário

Manuel J. Borja-Villel: Entrevista

MACBA

Miguel von Hafe Pérez

Entrevista

O poder da arte

Pedro Valdez Cardoso

Livro dos Actos

Salão Olímpico

Estudo de Caso

Alice Geirinhas

Nós, War & Love

Pedro Gomes

Ter

Zonas de conflito. Novos territórios da arte

Projecto TERMINAL

Miguel Palma

Inventário artístico de um fazedor de raridades

João Pedro Vale

Terra mágica

João Tabarra

LisboaPhoto

José Damasceno

Entrevista

Cristina Mateus

Entrevista

Vítor Pomar

Roteiro CAM

Pedro Sousa Vieira

Roteiro CAM

Fernando Lemos

Roteiro CAM

Carlos Nogueira

Colecção do CAM

Miguel Palma

Cemiterra-Geraterra (1991-2000)

Ângela Ferreira

Entrevista

Manuel Santos Maia

Entrevista

Vasco Araújo

Entrevista

Rigo

Entrevista

João Tabarra

O caminho sem fim

João Fonte Santa

A Regra do Jogo

Alice Geirinhas

Entrevista

Pedro Cabral Santo

Francisco Queirós

Entrevista

Ana Pérez-Quiroga

Diz que me amas

Lado a Lado

The First Step

Pedro Cabral Santo

Entrevista

Francisco Queirós

How could I miss you?

(Um) texto para os anos noventa

Arquivo contemporâneo

321 m2 – Trabalhos de uma colecção particular

Miguel Leal: Entrevista

Um Museu sem obras

Miguel Palma

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB

Fernando José Pereira

Colecção de Arte Contemporânea IAC/CCB